segunda-feira

como esperasse


Marcel Duchamp
‘Oh, abre os vidros de loção
e abafa
o insuportável mau cheiro da memória.’
Carlos Drummond de Andrade

como se estivesse
e não bastasse:
palavras não duram
mais que noites

era como se quisesse
assim atento
cutucar rastros
de dentro

como pesasse
impermitível
em tudo o que
pudesse ser
abalável

era como se proibisse
velando todo o antes
fiel e preso, e não,
e imóvel e atento

...

talvez, do desacordo
possa nascer, leve,
qualquer coisa
além da memória

4 comentários:

Luzibas Altieri disse...

tentando acompanhar o raciocínio da poeta...

Juliana Amato disse...

pensa que ela simplesmente não raciocina... ha.

Lu Marra disse...

Nossa Senhora da Aparecida do Norte e do Sul... quê isso, mulher!? clap, clap, clap

Gustavo disse...

isso sim. é lindo