quinta-feira

ontem, hoje.


Hannah Morris, em Punk 77.

Aprendendo tudo à força, goelabaixo
O amor seria a coisa mais bonita, se existissssssse
Foda-sssssse
Eu acho a Kim Deal e a Patrícia Pilar muito parecidas
Little drunk
porque cheguei de um lugar mais lindo
Do mundo – é. Todos los planetas em concordância
Sel va gem
Que nem no dia dos namorados ia ser tão...

*

ABORRECIDA

Ela não tenho namorado. De uns tempos para cá, alguns namoros acabados, eu começou a achar besteira esse negócio de ‘dar nome a’. Aí ela conheci uma pessoa X. Perfeitíssimo pra pessoinha. E decidiram não nomear o que nós temos. E decidiram não cobrarmos nada um do outro, porque isso estraga tudo. E decidiram ser livres – porque o amor liberta – para viver uma coisa intensa e bonita e só nossa. Eu achou o máximo. Porque, além de ele ser o máximo, era um tipo de relação supermadura, bacaninha memo. Mas é claro. Isso só a deixou à vontade nos primeiros meses.
A madame insegurança tem frio na barriga. Chora à toa. Vomita. Não sabe mais agir na frente da pessoa, quer fazer joguinhos e inventar situações que provoquem o mínimo de ciúme, comecei a roer as unhas. E acabou se sentindo a mais vil e infantil e babaca das criaturas terrestres.
Então vem o que mais me afligia.
A idéia de viver só de discursos.
A idéia de ficar tão sozinha pensando na vida como se estivesse tão acompanhada. Assim: ela convive com uma idéia.

E bate a porta uma necessidade: ora, amorzinho, o mundo é enorme.
*
DICA NÚMERO 3
Assine o cartão, cavalheiro.

Um comentário:

juliana disse...

Julaaa!!
Amei a foto. Juro. Vi todas. E essa tá linda. lindaaa! Amo o post tb. amo, amo, amo. amo sozinha. porque o amor não exxxxiste!