quarta-feira

período fértil

Me aproximo de Tereza.
Não.
De Franz.
Tanto que. Até preciso respirar, fechar, desistir do livro por instantes. Fecho. Lembro de Franz: Sabina era a deusa, o amor que libertou e sumiu, a pessoa fundamental, para quem não sobrou raiva nem rancor, o amor que o fez querer ‘viver dentro da verdade’ e romper com. Sumiu. Ficou no Franz em forma de vida. Da vida dele de tudo o que ele se transformou. Maravilhosamente melancolicamente platonicamente.

Foi parecido. É. Está sendo.

Já o caso de Tereza.
Tereza rima com mesa.

Um comentário:

Ana Paula Lima disse...

tereza dá náusea.