quinta-feira

quando uma pessoa


Henri Matisse, Open Window, Collioure, 1905.
.
.
.
.
.
Faz sol, hoje soa. Sua. Cara de hora certa, uma frente para o mar qualquer o seu o todo, a certeza, olhos, sorriso, a sua presença. E a vontade: olhar e se entender fazer fluir demais, você, fazer ser e ser tudo aqui, imensa. Ficar imaginando as fotografias, os lugares muitos, momentos, bons momentos, o que podemos juntas e o que podemos fazer, se foi rápido, intenso, o que podemos fazer senão a entrega para muitas semanas.
Porque vai passar rápido e não vai passar.

Essa coisa leve de não querer ficar sem você por agora.
.
.
.
.
.

'suave e inteiramente tu hás de tornar-te
com leveza infinita

o poema que não hei de escrever'

e.e. Cummings

Nenhum comentário: