terça-feira

trechos

‘Eu deveria cantar.'

‘Até encontrar um táxi, passei por dois anões, um corcunda, três cegos, quatro mancos, um homem-tronco, outro maneta, mais um enrolado em trapos, como um leproso, uma negra sangrando, um velho de muletas, duas gêmeas mongolóides, de braço dado, e tantos mendigos que não consegui contar. A cenografia eram sacos de lixo com cheiro doce, moscas esvoaçando, crianças em volta.’ P.21

‘Minha vida era feita de peças soltas como as de um quebra-cabeças sem molde final. Ao acaso, eu dispunha peças. Algumas chegaram a formar quase uma história, que interrompia-se bruscamente para continuar ou não em mais três ou quatro que nada tinham a ver com aquelas primeiras. Outras restavam solitárias, sem conexão com nada em volta.’ P.56

‘ – Escrever tem desses mistérios. De repente, sem esperar, um dia você consegue despertar alguma coisa que está viva dentro de muita gente.’ P.84

‘(...) é preciso ser capaz de amar meu nojo mais profundo para que ele me mostre o caminho onde eu serei inteiramente eu.’ P.190

‘Era preciso coragem para compreende-la, muito mais que coragem para realiza-la, e coragem nenhuma porque, aceita, ela se faria sozinha.’ P.190

‘ – São tudo estórias, menino. A história está sendo contada, cada um a transforma em outra, na história que quiser. Escolha, entre todas elas, aquela que seu coração mais gostar, e persiga-a até o fim do mundo. (...) Um bom combate, o melhor de todos, o único que vale a pena.’ P.204

‘Pisquei, ofuscado. Ela ergueu o braço direito para o céu, a mão fechada, apenas o indicador apontado para o alto, feito seta.
Depois gritou qualquer coisa que se esfiapou no ar da manhã.
Parecia meu nome.
Bonito, era meu nome.
E eu comecei a cantar.’ P.213

Nenhum comentário: