segunda-feira

CUIDE DE VOCÊ


ph. divulgação.

*

O título da exposição sugere o que pode ser encontrado. Quando lemos cuide de você e sabemos das origens da exposição, é possível imaginar o sentimentalismo escorrendo no galpão do SESC. Eu, tragicômica sentimentalóide do pior tipo, fui até lá e fiquei surpresa com a objetividade dos depoimentos e da arte de Sophie Calle.

E exposição, seu conceito e produção, parte de uma carta de rompimento que a artista recebeu de um namorado. Dor, dor, muita dor. Então ela, que não sabia se ou como ou o que responder, enviou a carta para 107 mulheres de diversas idades e profissões, para que elas interpretassem, respondessem, interagissem com a carta. A exigência era de que o fizessem de acordo com suas profissões.

Resultado: leituras objetivas e irônicas das cartas. Seu sentido subvertido e transformado em outro objeto.

As leituras foram objetivas, não mantiveram a dor, principal sentimento que a destinatária passou ao ler a carta. As múltiplas leituras criaram, por muitas vezes, sentimentos novos a partir de cada olhar. Há momentos engraçados, de indignação, de susto. Há momentos não identificados.

Isso é o mais bacana. Libertando sua carta, a artista faz esgotar o sentido dela, e através da arte, mostra as inúmeras possibilidades de sentido que um objeto pode ter, além de unir pessoas por um objetivo em comum – faz-se um pacto, todas aquelas mulheres (e, dentro da exposição, o visitante) dividem uma história, a história de Sophie, e são capazes de apreendê-la e contá-la.

É uma exposição muito linda e fica no SESC Pompéia até 7 de set.
Vale a pena, vale.

E desperta seus instintos mais latrocidas.

2 comentários:

pícaro disse...

1( )2( )3( )4( )5(X).

Ana Cristina Joaquim disse...

Jubiii!!! Boas novas: o próximo(como chama mesmo aquele livrinho provisório para conferir...?) então, o Vicente vai estar com ele esta semana. Podíamos nos ver no fim-de para dar uma olhada que tal? E muitas brejas. beiju-ju!!