quinta-feira

A ideia de começar a escrever COM cartas veio de uma correspondência virtual. Entre um email e outro, algumas discussões da nossa dificuldade, e como ambos tentávamos tentar à exaustão. Tentávamos qualquer coisa, todas as coisas que vinham na cabeça e tentávamos dar nome, e tentávamos combater os nomes. Mas isso já está ficando poético demais. Objetividade, Juliana: foi que dessa correspondência nasceu um poema que me deixou bastante satisfeita, que se chama RE: The National – que está logo aí embaixo. Falávamos da banda, do show da banda e de várias outras coisas sobre as quais pessoas se entendem falam sem explicar muito. Pois bem, RE: The National emocionou meu interlocutor, e abriu a cabeça para um novo projeto, um longo.

Não vou contar exatamente aqui como estou pensando o processo (mesmo porque já deve dar pra imaginar, e porque as coisas têm que parecer espontâneas). Mas preciso de material desconhecido. Preciso de cartas. Prometo sigilo, ninguém vai ter o nome exposto. Preciso de cartas, me doem as velhas, as novas as que vocês não querem ler de novo de jeito nenhum. Elas não precisam estar no papel, podem ser digitadas e podem ser email. Podem tratar de qualquer tema, amor, despedida. Podem ser cartões postais (mas daí tenho que saber de onde – a foto). Pode ser uma carta pra mim, também – mas aí vai ficar demasiado difícil. Enfim. Pessoas se escrevendo, epistolares.

ps. Acabei de lembrar que a ideia não veio da situação que escrevi aí em cima. Essa situação me fez relembrar, acho que por isso ficou mais marcada. Quem começou com essa história foi o Peter, eu mesma, numa carta pro Peter.

O que importa é que quem quiser ajudar, participar, contribuir pode escrever para:

microclima.cafe@gmail.com

Um comentário:

natalia lemos disse...

Arrasa bi.