segunda-feira

Queria acordar em outro corpo enquanto você faz café. Mas mesmo assim do lado do seu. Do seu outro corpo. Essa coisa de corpo, rimos da própria voz. Outros e a arte de perder não tarda, disse Marianne e era Elizabeth, não te disse que estava esquecendo os nomes.

Dizer la poésie comme l’amour risque tout sur des signes é como abrir um dos olhos, e o outro fica mesmo por conta do tcheco comestível, Kundera, rimos outra vez dessa vez com inocência, ela existindo. E então eu levanto e agarro meu exemplar do diário, e então Alejandra pula ameaçando, a faca no pescoço, no meu, mas era só mais um: sueño/pesadilla.

Lembramos de Cummings e foi difícil escolher o trecho, seleção numerológica, já que adoramos um lance sobrenatural.


Beautiful

is the
unmea
ning
of(sil

ently)fal


Nessa hora acordo mesmo, e você está, e não está.

5 comentários:

Silvério B. disse...

Curti, sou teu fã

m. sagayama disse...

deu vontade de responder.

juliana amato disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
juliana amato disse...

me manda uma carta!

cervejaerua disse...

Lindo .. .obrigado