terça-feira

     ph. Thany Sanches



Eu não lembro muito bem o que eu li, mas lembro da sensação.



Aí o Thiago Barbalho, pessoa estimada, disse isso pra mim no meio de uma conversa sobre o diário aleatório, e eu fiquei feliz demais, porque é exatamente isso o que.

Quem costuma visitar este espaço talvez tenha lido, no fim do ano passado, alguns poemas meio soltos, meio figurantes e totalmente hesitantes descrevendo certos dias. Eles foram crescendo e crescendo (e me absorvendo) em número e intensidade, enquanto eu resolvia encarar uma investigação incansável, de sentimentos muito novos.

E então, por serem muitos, eles já não cabiam mais neste microclima, e saltaram pra fora.

Com muitas dúvidas na cabeça, precisando conversar e conversando sem parar, mostrei para uma pessoa, os textos. A Thany ficou comovida – eu adoro como a Thany lacrimeja quando vê alguma coisa bonita –, e, sei lá quem teve a ideia ou como tudo começou, mas a Thany e eu nos juntamos e começamos a pensar nesse diário obsessivamente, em fazer algo com ele, em expor, apresentar, mostrar.

Algum incômodo. Desapego de ideias antigas para deixar as novas chegarem, conversas à tarde, almoços nos vegetarianos do Centro, conversas à noite, empolgações, longas andadas e mais longas conversas, e admiração sem fim: o diário aleatório está ficando lindo. Está quase pronto.

Preciso dizer que foi importante esse processo, a (re)construção dos meus dias. Devo dizer que morro de ansiedade esperando o domingo chegar, para estar ali, com os textos, distribuindo, com as pessoas. Vendo reações, explicando para os interessados, lidando com mais dúvidas. Mas vou estar do lado de uma pessoa que tem sido tão especial na vida em geral, e vou ter a bença da cuco – a editora muy loca que o Ale, a Thany e o Danilo estão começando. Não tem como ser ruim.

Um brinde a esses corações generosos, que ajudaram a aliviar um pouco um coração apertado.



O diário aleatório será apresentado pro mundo (aquela cena do rei leão em que o rafiki sobe na pedra com o simba) dia 10, domingo, na feira plana, no MIS (12h-20h): será real. Vai acontecer.


E vai ser lindo ver vocês.



2 comentários:

Silvério Bittencourt disse...

Poxa, queria poder ir

Anônimo disse...

amo-te.